Deputado do partido de Merkel quer salvar clube de fetiche em Berlim

Ícones da vida noturna da cidade, KitKat e Sage tiveram contrato de aluguel rescindido e deverão deixar o espaço que dividem.

Em reação inesperada, conservador se posiciona contra especulação imobiliária e gentrificação.

Apesar da loucura que se tornou o setor imobiliário em Berlim, passando a ser tema constante no noticiário local, na semana passada duas histórias surpreenderam os berlinenses e chamaram a atenção até da mídia internacional. A primeira foi a visitação de um apartamento disponível para locação, com um preço justo, que atraiu mais de 1,7 mil interessados.

O imóvel de dois cômodos custava 550 euros por mês, pouco mais de R$ 2,5 mil.

O caso escancara a crise de moradia enfrentada pela cidade, que não para de crescer, enquanto os salários não têm acompanhado o ritmo do aumento dos aluguéis. Multidão se aglomera ao redor do apartamento em Berlim Reprodução/Twitter A média salarial na capital alemã varia de 2,6 mil euros por mês a 3,5 mil euros, dependendo do bairro.

Esse valor é bruto, ou seja, sem os descontos com impostos que podem chegar a 42%. A segunda surpresa da semana foi o anúncio da rescisão do contrato de aluguel dos clubes KitKat e Sage, duas das mais famosas instituições da vida noturna da cidade.

Dividindo o mesmo espaço, os dois clubes devem deixar o local até junho do ano que vem.

O dono do imóvel seria um investidor de Munique que deseja vender o terreno para um interessado em construir apartamentos de luxo no local. A notícia foi mais um alerta sobre a devastação da especulação imobiliária que está destruindo o caráter de Berlim, transformando a metrópole em mais uma entre tantas localidades padronizadas pela gentrificação – o processo de valorização de áreas urbanas que se reflete na explosão dos valores dos aluguéis. Conhecido pelas festas de fetiche, o KitKat é uma das discotecas legendárias da cidade.

Fundado em 1994 pelo diretor australiano de cinema pornográfico Simon Thauer e sua companheira Kirsten Krüger, o clube ganhou esse nome em homenagem à famosa boate do filme Cabaret, de 1972. O Sage também faz parte da história da vida noturna berlinense.

Seu proprietário, Sascha Disselkamp, afirmou que tentou conversar em vão com o dono do imóvel.

Ao jornal "Berliner Zeitung", ele expressou a vontade de comprar o local onde ficam os clubes para transformá-lo num espaço cultural. A prefeitura de Berlim, governada atualmente por uma coalizão formada pelo Partido Social-Democrata (SPD), Partido Verde e A Esquerda, disse que os dois locais "são ícones da cultura" da cidade e que está interessada em preservá-los.

Em nome dos clubes, as autoridades estariam em contato com o proprietário do imóvel para tentar encontrar uma solução para o impasse. Tal atitude já era de se esperar dessa coalizão, que vem tentando encontrar meios para conter o avanço da especulação imobiliária na cidade.

O mais curioso nesse caso, porém, foi o apoio dado aos clubes por um deputado do partido da chanceler federal Angela Merkel, a União Democrata Cristã (CDU), que geralmente tem se mantido ao lado dos especuladores e criticado o governo local por sua posição. "Estamos testemunhando infelizmente a extinção da cena noturna de Berlim", afirmou o deputado conservador Christian Goiny, acrescentando que a recente rescisão do contrato do KitKat e do Sage é mais uma triste prova disso.

Ele propôs ainda que a cidade ofereça aos clubes um espaço alternativo, além de apoio financeiro a discotecas que enfrentam ameaças de fechamento. Ainda não se sabe qual será o destino dos dois, mas há grandes chances que eles entrem para estatísticas dos clubes legendários que morreram devido à especulação imobiliária.

Nos últimos anos, a cidade perdeu 250 discotecas e espaços de eventos.

Cada vez mais locais famosos estão fechando suas portas, sucumbindo à gentrificação. Essa transformação ignora ainda o poder econômico desses espaços.

A cena de clubes de Berlim é famosa no mundo todo, atraindo turistas de vários países.

O setor movimenta quase 1,5 bilhão de euros por ano.

Categoria:Mundo